10 de mar de 2011

Ilusão

O meu bloco não desfila,
Não batuca e não tem cor
Tá na rua, sem querer,
Fantasiando o dissabor
Mas em volta, tudo bem,
Tudo água, tudo som
Como se as máscaras estivessem
Espalhadas pelo chão
E o peito gritasse a dor,
O peso do coração
Na sujeira colorida
Dos confetes e das paixões
Momentâneas, despercebidas
Vou levando, vão levando
Me levem pra algum canto
De preferência pra bem longe
Do meu próprio falso encanto
Onde alguém, menos feliz
Atreva-se a berrar:
Se o que sobra é o que somos
E a vida não é carnaval
Por que aceitamos tanto viver
E tão pouco carnavalizar?

Um comentário:

Lii Schuede disse...

"Andei procurando um amor que me desse a vida perdida afinal (...)"